Banda Filarmonica de Amares - Portogallo

PRIMA CATEGORIA

Brano d'obbligo
African Ritual di Giuseppe Calvino

Brano libera scelta
The year of the dragon di Philip Sparke


A Banda de Amares foi fundada pelo Padre Ricardo Marcelo Martins, Abade de S. Tomé de Prozelo, Amares, que paroquiou a freguesia de 1842 e1887. O Abade Ricardo criou uma Orquestra de Capela, em 1853, que depois viria a transformar na Música de Prozelo. Tal tarefa foi concretizada pelo Sr. Ganchinho, seu sucessor na Direcção. Foram ainda regentes em Prozelo um senhor de alcunha Repiupiu e o Sr. Costinha. Como este último começasse a ensaiar na Feira Nova, novos músicos locais aderiram à Banda. Daí vir a ser conhecida como Música da feira Nova. Segundo notícias publicadas nos Jornais " Maria da Fonte", da Póvoa de Lanhoso, e " O povo da Barca" a Banda de Musica, citada ora como Prozelo, ora como da Feira Nova, participou em diversas festas nos anos de 1898,1899,1902 e 190. Em 1898, tocou em Sobradelo da Goma, Póvoa de Lanhoso, ao despique com as Bandas de Sobradelo da Goma e Serafão, Fafe. Em 1899, tocou com a Banda de Calvos na Senhora do Pilar, Póvoa de Lanhoso. Em 1902, tocou nas Festas de Porto D'Ave, Póvoa de Lanhoso, com as Bandas de Calvos e Sobradelo da Goma. Em 1903, foi tocar às Festas da Senhora da Lapa, Arcos de Valdevez. No dia 15 de Agosto de 1923, tocou nas Festas da Senhora da Abadia, Amares, com a Banda de Monsul, Póvoa de Lanhoso. Já na Feira Nova, a Banda foi ainda dirigida por António Arantes Russel, Morgado de Romão, em Carrazedo. Sob a regência de José de Abreu Dias, passou a ensaiar na antiga casa dos Bombeiros, junto à Igreja de Ferreiros. Em Assembleia Extraordinária dos Bombeiros Voluntários, realizada em 28 de Janeiro de 1928, o Comandante da Corporação e Maestro da Banda, José da Abreu Dias, propõe a anexação da Música à Corporação, que passa a chamar-se "Banda dos Bombeiros Voluntários da feira Nova". Em 26 de Setembro de 1931, "A Folha de Vila Verde" noticiava que a Banda da Feira Nova e a Banda de Música de S.Pedro de Valbom iriam tocar nas comemorações do 5 de Outubro em Vila Verde. O mesmo jornal informou a 11 de Novembro que a banda iria tocar nas cerimónias da inauguração do Monumento aos Mortos da Grande Guerra, em Vila Verde, conjuntamente com as Bandas do Regimento da Infantaria 8, de Braga, e a de S. Martinho da Gandra. Em 1937, com 35 executantes, participou no primeiro Festival de Bandas Civis em Braga.Altura houve em que a Banda ensaiava na Casa do Povo de Rendufe e, mais tarde na Garagem da Empresa de Camionagem Campelo, sendo a maioria dos músicos que a integravam, das freguesias de Rendufe, Barreiros e Lago. Foram ainda os Maestros da Banda Musical de Amares Joaquim Martins Viana, Sr. Ramada, 2º Sargento Joaquim Lopes, Sargento Gonçalves, António Esperança, João Pires Brás, João Pereira, Armando Meira, Sargento Leonardo, Sousa Baptista, Arnaldo Costa e Gil Pinto Lopes. Em 31 de Março de 1968, os Bombeiros passam a usar o nome de Bombeiros Voluntários de Amares, e a Banda usa também a nova denominação. São desse mesmo ano os Estatutos da Associação, que não estabelecem nenhuma dependência entre os Bombeiros e a Banda. O Cartão de pessoa colectiva nº 501330003, tem data de 28.11.1974. Assim sendo, deverá considerar-se que a Banda, a partir desta data, não tem nenhuma ligação aos Bombeiros, constituindo uma associação independente. Nesta base, participou na fundação da Federação Regional de Bandas Filarmónicas do Minho, ao 19 de Março de 1999. A Escritura pública de legalização plena da Banda foi feita a 08.11.1999. A sua constituição foi publicada no Diário da Republica, III série, a 22.12.1999. Ao começar o ano lectivo de 1998/1999, a Direcção da banda decidiu criar, a nível da Escola de Música, a Orquestra Juvenil de Amares, orientada por Félix Cabrerizo, coadjuvado por Fernando Pinto, como forma de dinamizar os alunos para mais rápido ingressarem no corpo de executantes. A orquestra teve a sua primeira apresentação em público nas Festas de Santo António de 1999. No inicio de 2003, a Banda aparece totalmente renovada, com a nova Direcção eleita e novo Maestro, Victor Matos, pronta para celebrar os 150 anos de existência.

M° Vitor Matos
Estudou nos Conservatorio de Musica Calouste Gulbenkian em Braga, Conservatorio de Musica do Porto e na Escola Superior de Musica do Porto nas classes de Josi Matos, Moreira Jorge, Antonio Saiote, Carlos Alves e lums Silva. E diplomado pela Escola Superior de Musica do Porto.
Efectuou master class com alguns dos mais aclamados clarinetistas da actualidade tais como; Michel Arrignon (professor da Escola Superior de Musica de Paris), Philipe Cupper (Super-solista da Opera de Paris), Paul Mayer e Guy Deplus.
De 1995 a 1997, foi solista A e B na Orquestra do Norte.
Colaborou com as seguintes Orquestras: "Filarmonia das Beiras", "Sinfonieta", do Porto, Orquestra de Cbmara "Musicare".
De 1999 a 2002 estudou direcgco de Orquestra com o Maestro Cesario Costa, tendo tambim frequentado cursos de direcgco de orquestra com o maestro Robert Houlihan. Frequentou um curso de direcgco especializada em musica contemporbnea com o maestro Artur Tamayo.
Foi em 1999 e 2000 professor orientador da classe de clarinete, nas Jornadas Musicais de Santa Maria da Feira.
Tem tido desde 2001 uma ligagco ` Orquestra do Norte, no bmbito da direcgco de Orquestra, dirigindo concertos em todo o Pams.
E director artmstico da Banda Filarmsnica de Amares.
Gravou para RTP e RDP. Tem-se apresentado no bmbito de Mzsica de Cbmara e como solista nos Festivais Internacionais de Mzsica Vila Nova de Gaia, Psvoa de Varzim, Encontros de Primavera (Guimarces), Musica Viva (Porto), Deodat Severac (Toulousse) e Mateus (V. Real).
A convite da Fundagco Hemmerich-Smola, na Alemanha, dirigiu as orquestras do Teatro de Kaiserslautern e da Radio Sul da Alemanha.
No campo da direcgco, foi assistente na Opera "Carmen" de Bizet, "Elixir d`Amore" de Donizetti e no ano 2005 dirigiu a Opera infantil, "A Menina de Fogo" de Robert Long, estreia nacional.
E maestro titular da Orquestra de Cbmara do Minho desde a sua fundagco, tendo dirigido com esta formagco os solistas Lums Pipa e Ilya Grubert.3
A convite do Instituto de Santo Antsnio dos Portugueses em Roma, tem realizado diversos recitais e efectuado estreias de obras a si dedicadas. Concertos gravados e editados pelo Instituto.
Actualmente lecciona nas Academias Companhia da Mzsica em Braga, Josi Atalaya Fafe e Valentim Moreira de Sa, em Guimarces, desempenhando fungues de direcgco pedagsgica nesta zltima. I tambim director artmstico da Orquestra de Sopros desta escola, desde a sua fundagco.
Foi admitido no ano de 2004 no Mestrado em Estudos da Crianga, especializagco Educagco Musical, na Universidade do Minho, estando neste ano a preparar a sua dissertagco de tese.
Estuda desde 2000 a tmtulo privado com o clarinetista Alessandro Carbonare em Roma.